Exposição

Cem Mais

Introdução

 

Há cinco anos, começamos a ter nas Mostras da Escola de Atores Indac,
a presença constante de um fotógrafo. Como tantos teatrólogos e
orientadores, eu sempre priorizei o momento presente, a vivência
dos processos e, por diversas vezes, julgava a câmera como intrusa
de um momento tão particular. Mas, peça após peça, ele deixava clara
a legitimidade de sua presença.

Allan Bravos não é um espectador que registra o que vê, é um ator
que não desperdiça a chance de estar em cena. Através da sua lente,
transforma a experiência imortal de cada peça em um registro memorável.

Em cinco anos, o olhar do fotógrafo registrou de tragédias milenares
a dramas distópicos. Ele presenciou o extermínio de 60 mil pessoas,
acompanhou a luta de uma mulher pra salvar uma criança e centenas de
histórias que ficaram retidas na nossa memória e no acervo preciso e
cuidadoso que o fotógrafo mantém em seu site “Lentes de Impacto”.

Sei que belas imagens ludibriam o ego, mas as milhares de fotos do
artista estampam a consistência de tudo que fazemos. As fotografias
eternizam gestos, emolduram sensações, escancaram o ofício que tanto
amamos como forma de resistência.

Sinto-me honrado de ter visto o nascimento desse grande artista e
agradecido pelo registro delicado que Allan Bravos fez das mais de
cem peças apresentadas no Indac nos últimos anos.

Vida longa à sua arte. Evoé!

Renato Andrade

Projeto

Artistas

Negras e Negros